Mãe é mãe

“Mãe é mãe!” Eis uma expressão popular de abrangência universal. Em si, considerando apenas a escrita, é redundante; e não diz nada além do óbvio. Mas, o interessante é que esta expressão é bem entendida por todo aquele que fala, assim como pelo que ouve.

A objetividade desta frase revela a grandeza do que é ser mãe. Traz à memória tudo o que está envolvido em seu relacionamento para com seu filhos, e para com aqueles que os rodeiam. Convicções como: (1) Ela sabe o que é ter um filho. (2) Ela vive para dar vida a seu filho. (3) Ela protege como ninguém a seu filho. (4) Ela sofre e entende o sofrimento de outras mães por seus filhos. (5) Ela se sacrifica por seu filho. (6) Ela erra, mas objetivando fazer o melhor para seu filho. (7) Ela sofre com o sofrimento de seu filho. (8) Ela se alegra com a alegria de seu filho. (9) Ela se satisfaz com a satisfação de seu filho. (10) Ela perdoa como ninguém a seu filho.

São exemplos do entendimento que envolve a frase “mãe é mãe!”. Não é preciso explicar, basta a figura, a lembrança deste ser tão importante que Deus usou para nos trazer à vida; assim como para nos manter nela – nos formar, sustentar, apoiar.

É interessante como em certos momentos nos comportamos como independentes, querendo alçar vôo; procurando dar conta do recado à nossa maneira. Nesses momentos, em inúmeras vezes, rejeitamos a palavra, o conselho, o apoio de nossa mãe. Mas, quando tudo não funciona como planejado, quando tropeçamos, perdendo o controle, a pose, corremos para aquela que está de braços abertos, mesmo quando não ouvida, não considerada. Isso é tão real que o próprio Senhor usa a figura da mãe para exemplificar Sua ação em consolar seu povo: “Como alguém a quem sua mãe consola, assim eu vos consolarei; e em Jerusalém vós sereis consolados” (Isaías 66.13).

Humanamente falando “mãe é mãe!”, isto é, há coisas que só elas sentem e fazem, com perfeição e consistência. Por isso o Senhor nos exorta a levá-las em altíssima consideração: “Honra a teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá” (Êxodo 20.12); “Filho meu não deixes a instrução da tua mãe” (Provérbios 6.20b).

“Mãe é mãe!” e eu louvo a Deus por isso; pois elas são obras de suas mãos, vidas usadas para nos abençoar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s