Avivamento

É interessante como inúmeros textos bíblicos revelam a ação de Deus, que se mostra da seguinte maneira: (1) Ele expõe o pecado do povo. (2) Esclarece, então, a razão da disciplina. (3) Em seguida, relembra a promessa de avivamento, baseado em sua fidelidade. (4) E, finalmente, conclama o povo ao arrependimento; passo inicial, e fundamental, para que o avivamento se proceda.

Você já se viu em uma rotina tão escravizadora que parece que a capacidade de raciocinar se esvai, assim como a força, o poder de fazer algo diferente? Simplesmente fazemos. Ou, simplesmente pecamos. E quando essa mornidão nos acomete, faz-se necessário algo extraordinário para romper com a rotina. E, quando, mesmo com medo, reagimos, vislumbramos novos horizontes. E, então percebemos que a cegueira, ou a impossibilidade já não existe. Pois bem, esta é a ação de Deus para promover mudanças.

“Assim diz o Senhor, que te criou, e te formou desde o ventre, e que te ajuda: Não temas, ó Jacó, servo meu, ó amado, a quem escolhi. Porque derramarei água sobre o sedento e torrentes, sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade e a minha bênção, sobre os teus descendentes; e brotarão como a erva, como salgueiro junto às correntes das águas” (Isaías 44.2-4).

Uma torrente é um curso de água rápido e irregular que resulta de uma enxurrada. A ideia de abundância se confirma na expressão: torrentes sobre a terra seca. Não há desperdício proveniente de algo desnecessário; mas sim, a compreensão de suficiência. Deus providencia suficientemente. Não há escassez, falta, economia. Há abundância de graça para o coração amargurado pelo pecado; sofrido pelas más escolhas; e sedento de compaixão, de misericórdia que gere vida.

Deus usa a água como paralelo para o Espírito Santo. A razão sugerida no texto é a de que assim como a água, o Espírito é essencial para a vida. Em um local, e em uma cultura, dependente da água para sobrevivência; e sem os recursos e facilidades para sua extração e condução, a água torna-se algo de valor incomparável. Ter água é ter vida; é ter rebanhos, plantação, comida, alegria, beleza, etc. Essa é a correspondência para com o Espírito.

Assim como a água para a vida natural, o Espírito é vital para o surgimento e a manutenção da vida espiritual. Sem Ele não há vida (Romanos 8.11). Assim como a água para o tratamento da terra, ou mesmo o tratamento da saúde, o Espírito é fundamental para purificar do pecado e de suas consequências. Sem Ele não há renovação (Romanos 8.13). Assim como a água é a única coisa que mata a sede, o Espírito é o único elemento que mata a pecaminosidade; saciando a sede de justiça, de perdão, de virtudes, de amor, de paz. Sem Ele não há como ser saciado (João 7.37-39).

Sem o Espírito não há avivamento. Por isso a promessa de Deus de que promoverá avivamento, estendendo a ação do Espírito sobre eles, e sobre seus filhos.

Às vezes me pego pensando: como será o mundo, a igreja, a vida quando nossos filhos estiverem em nosso lugar, como adultos, lutando para viver? Qual o exemplo que deixaremos para quando não estivermos mais aqui? Em que circunstâncias viverão? O que enfrentarão? E, o mais importante: Como enfrentarão? Minha oração é que o Espírito de Deus esteja derramado sobre eles, pois sei que assim viverão. Pois, o avivamento produz mudança radical e permanente no entendimento, no falar, no agir, e no desejo, no anseio das pessoas. Há como que uma “nova conversão”. Aquele fogo que consome a timidez, a mesmice, a preguiça, a indiferença; e que gera frutos.

Porém, em todos os textos que tratam acerca de avivamento, em que Deus revela o pecado do povo, sua disciplina, e sua promessa de avivamento; é observado que, como resposta, baseado no entendimento da mensagem do Senhor, é necessário o clamor.

Não há como estabelecer o planejamento para o avivamento acontecer. Não há como marcar dia e horário; formas; pessoas; etc. Deus é o agente do avivamento; e nós somos o receptáculo deste; e sua manifestação viva. Mas, por outro lado, sabemos que o avivamento não acontece sem algumas coisas: (1) Arrependimento e confissão de pecado diante do Senhor. (2) Amor por Deus, expressado pelo amor por Sua Palavra. (3) Oração.

Você está satisfeito? Acha que seu proceder espiritual é satisfatório ao Senhor? Acha que sua vida, por inteiro, condiz com as exigências do Senhor? Acha que Deus sorri para você, dizendo: “Não há alguém como ele”?

Eu estou insatisfeito. Estou insatisfeito com o tempo que dedico à oração; e com seu conteúdo e foco. Estou insatisfeito com o tempo que dedico à leitura da Palavra. Estou insatisfeito com minha conduta como evangelista. Estou insatisfeito com minha inclinação e reverência na adoração. Estou insatisfeito com minha preocupação com o próximo. Estou insatisfeito com minhas motivações e ações. Estou insatisfeito com meus relacionamentos. Estou insatisfeito porque entendo que Deus está insatisfeito para comigo. Entendo que Ele me quer diferente, mais santo; mais parecido com Cristo. E não posso me conformar a esta insatisfação; pois prejudica minha adoração.

Você está satisfeito? Deus está satisfeito para contigo? Lembre-se de que Deus promove o avivamento na vida de seu povo, tornando-o santo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s