O amor é qualificador

Best Friends

“O amor deixa as pessoas abobadas”. Já ouviu esta expressão, ou algo semelhante? A ideia é a de que o indivíduo que está amando não enxerga a realidade; isto é, não percebe os defeitos do outro, assim como as coisas erradas e ridículas que faz (ou fazem).

Li outro dia esta afirmação: “O amor realmente torna as pessoas fracas mesmo, veja as mulheres, ficam cegas e fazem loucuras e os homens (em menor grau) também fazem. Quem é bom e tem amor nunca chega ao poder é usado e abusado e nunca consegue ter o poder, pois é dominado por um sentimento que o torna fraco e inimigo de si mesmo, ficando assim na mão da pessoa a qual ele ama. O amor faz você se preocupar com os outros, e você acaba ficando em segundo plano. O amor faz você sair da realidade do mundo, e você acaba caindo na armadilha. O amor é a palavra que deram para o sexo em uma forma mais bonita pois o amor acaba”.

Maquiavel afirmou que um príncipe nunca deve demonstrar amor; pois o amor o torna fraco, e acaba; mas o medo das pessoas não. Ele tinha esta filosofia, e a maioria dos políticos, empresários de sucesso e grandes executivos seguem a mesma filosofia.

Que coisa! Será que tudo isso se refere realmente ao amor? Ou será que o sentimento em questão diz respeito a algo de menor proporção temporal, e qualitativa em seu todo; mas de acalorada proporção sentimental, como a paixão?

Vejamos o que as Escrituras revelam acerca do amor: “O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1 Coríntios 13.4-7).

 Interessante, pois as características do amor na pessoa, como demonstrado no texto, parecem conduzir à qualificação pessoal. E isto, evidentemente, qualifica a pessoa para todas as coisas e áreas; pois, qual a parte da vida que o pessoal não está incluído, por meio do entendimento, da avaliação, das ações e reações, e dos relacionamentos?

Paciência, bondade; assim como não se ressentir do mal; não ser irritadiço, e prepotente, são características desejadas por todos; porém, com pouquíssimas conquistas. Para a maioria das pessoas são como utópicas; isto é, lindas e desejáveis, mas não alcançáveis.

E o que dizer do ter domínio próprio? Sim; pois, o amor qualifica a pessoa a não ser controlado pelo ciúme; assim como a não ser cego devido ao orgulho; bem como a não se conduzir inconvenientemente. O amor torna a pessoa justa, inimiga da injustiça e amiga da verdade. Enfim, o amor torna a pessoa forte o suficiente para sofrer, crer, esperar e suportar; vivendo equilibradamente segundo aquilo que crê.

E o mais interessante é que tudo isso tem uma consequência benéfica para a pessoa que ama. O texto afirma: “o amor não procura os seus interesses”. Ao contrário do que afirmam alguns, pensar e agir em benefício do outro traz benefício para o próprio agente do bem. Se eu amo minha esposa, e por isso me relaciono positivamente com ela, procurando os seus interesses; a recompensa é a de ser também amado; e por isso, cuidado por ela. Alguns certamente diriam: “Mas e quando eu amo e não sou correspondido, isto é, sou traído por aquela que foi alvo de meu amor?” Eu respondo, afirmando ser possível que isto aconteça devido a pecaminosidade existente; porém, na maioria das vezes eu indagaria: “Você realmente a amava, se relacionando com ela conforme as características expostas no texto acima?”. Na maioria das experiências negativas, percebe-se a ausência do amor real, com suas características não sendo evidenciadas, por nenhuma das partes. A consequência para estes relacionamentos, evidentemente, não pode ser boa.

Quando amamos verdadeiramente, evidenciando tais características, somos qualificados. E mesmo diante de alguma possível trairagem, somos fortalecidos a amar; pois nos tornamos pessoas melhores para nós mesmos, e para os outros. Por que será que diante de uma trairagem o lado desqualificado é que tem de prevalecer, influenciando negativamente? Afinal, aquele que não ama revela fraqueza e covardia, por meio de um caráter indigno, e de uma conduta inconveniente. Enquanto o que ama é qualificado a “tudo passar, tudo crer, tudo esperar e tudo suportar”. O amor qualifica; portanto, vale a pena amar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s